SHARE THIS CONTENT

 O conceito de transformação digital pode, e deve, ser trabalhado em todas as organizações, independentemente de seu porte ou nicho de mercado. Sem essa consciência, muitas vantagens competitivas – como ser uma empresa de tradição, conhecida, com muitos anos de atividade – ficam pelo caminho.

“Transformação Digital não é sobre tecnologia; é sobre pessoas”.

 Esse é a frase da minha palestra sobre Transformação Digital que, ultimamente, mais tem deixado as pessoas boquiabertas. Quando o slide aparece com ela, a audiência logo pega no celular e tira fotos. Afinal, é uma informação que querem guardar, e muito bem guardado. 

 O furor tem explicação – e ela, geralmente, vem em forma da pergunta: “como assim, não tem a ver com tecnologia? Sempre achei que transformação digital era tecnologia… que história é essa?”

 Compreendo a reação, já que, nos últimos anos, a maior parte das transformações nas ferramentas de trabalho, na rotina pessoal e no modo como nos relacionamos com as pessoas tem o dedo da tecnologia. Mas, vale sempre lembrar, para a transformação digital nas empresas, a tecnologia é apenas um meio, e não o fim.

 O coração da transformação está no ser humano, em sua própria transformação individual, a partir do desenvolvimento de competências e habilidades que proporcionam, ou facilitam, as adaptações dentro da empresa.

 Dessa forma, acreditar que uma organização está promovendo transformação digital apenas quando contrata a melhor ferramenta de CRM, ou lança um aplicativo, ou, até mesmo, inicia um ponto de vendas online, é ilusório.  

 Todas essas alternativas podem ser importantes ao desenvolvimento da empresa em seu mercado e no relacionamento com o público, mas nenhuma delas vai funcionar se o fator humano não for levado em consideração. Reside justamente nesse contexto o primeiro erro dos empreendimentos que querem fazer parte da Revolução Industrial 4.0.

 E, infelizmente, ele é só o começo.

Sinais de que sua empresa entendeu tudo errado 

 O conceito de transformação digital pode, e deve, ser trabalhado em todas as organizações, independentemente de seu porte ou nicho de mercado. Sem essa consciência, muitas vantagens competitivas – como ser uma empresa de tradição, conhecida, com muitos anos de atividade – ficam pelo caminho.

 A razão é simples: a Revolução Industrial 4.0 responde à demanda de respostas rápidas para um público que tem pressa de tomar decisões. Portanto, as ferramentas que facilitam essa interação são bem-vindas; mas, sozinhas, elas não vão fazer milagre.

 Por isso, acredito que muita gente pode se surpreender com o conteúdo que mostro abaixo. Gestores de todos os níveis estão acostumados a receber informações sobre novas ferramentas digitais, que viabilizam inúmeras tarefas, mas ainda não estão inteiramente por dentro da importância do fator humano para a implementação das novidades.

 Separei os três principais sinais de que, na minha opinião, a sua empresa pode estar indo justamente por esse caminho: investindo em ferramentas espetaculares que, sem o cuidado com as pessoas que as operam, não vão dar retorno algum.

Sinal 1: Investe-se muito em ferramenta e pouco no conhecimento

 Já que toquei na ferida, vamos a ela: vi muitas empresas com budget milionário, como a L’Oreal, investir pesado em ferramentas e softwares para Tecnologia da Informação. Isso é excelente; uma multinacional precisa ter esse domínio dentro da transformação digital.

 Contudo, a mesma empresa apresentava um orçamento muito baixo para o treinamento de pessoal nas questões digitais. 

 Ora, comprar o “equipamento” e não ensinar as pessoas a usá-lo é tão ineficiente quanto não ter o equipamento em questão. Imagine, por exemplo, um hospital que adquire um excelente aparato tecnológico para seu centro de neurocirurgia, mas o coloca nas mãos de novatos estudantes de medicina. 

 De onde eu venho isso tem um nome. Chama-se “jogar dinheiro fora”.

 Assim, o primeiro sinal de que a empresa entendeu errado o conceito de transformação digital nasce dessa visão equivocada de para onde direcionar os investimentos. Na maioria dos cenários eles são desproporcionais, quando levamos em consideração o que se gasta com ferramentas e o quanto não se aproveita o momento para o treinamento digital dos times.

 E, aqui, estamos falando de todos os times de uma empresa, não apenas os de marketing e/ou canais digitais. Se a equipe de uma empresa não tiver o conhecimento adequado para operar as ferramentas digitais, não há TI que resolva os gargalos corporativos.

Sinal 2: Desconexão entre área de inovação e atividade-fim

 Sunil Gupta, professor de Harvard e autor do livro Driving Digital Strategy, diz que não adianta dar autonomia a laboratórios de inovação e transformação digital nas empresas se, no fundo, elas estão separadas do negócio em sua atividade-fim. 

 Para ele, e eu concordo, sem a conexão entre inovação e core business é possível que a empresa invista em uma série de experimentos que raramente vão dar o retorno esperado em impacto no lucro da empresa. 

Portanto, é indispensável que as estratégias de transformação digital nas empresas façam parte da rotina de todos os times, e até recomendo que estejam fisicamente próximas! Só assim as pessoas vão ver propósito, necessidade e urgência em adaptar seus setores ao que a organização pretende fazer. De frequente vejo empresas montando laboratórios de inovação totalmente desconectados do resto do negócio, ao ponto que os times parecem falar até “diferentes idiomas”…

Sinal 3: Enxerga-se a transformação digital nas empresas como redução de custos

É claro que algumas (senão todas) ferramentas de automação podem mostrar uma significativa redução de custos no quadro geral das empresas. Isso ocorre porque, em boa parte das vezes, o gestor enxerga a ferramenta como uma forma de reduzir o custo de mão de obra humana.

 Contudo, preste bem atenção, pois isso é muito importante: enxergar o digital como forma de abrir mão da expertise humana é uma forma erradíssima de olhar para o cenário de transformação. Se tiramos o lado humano das organizações, estamos tornando a operação em um processo frio e calculista.

 Em um primeiro momento, isso pode “aliviar” as contas; mas, no longo prazo, o cenário não se vende. Afinal, até o tomador de decisões pode, no futuro, ser substituído por uma máquina…

 Passando os sinais a limpo

 Se sua empresa apresenta a visão descrita acima, tenho uma boa e uma má notícia. A boa é que ainda está em tempo de mudar essa maneira de tratar a transformação digital e se adequar aos desafios que ela proporciona. A má é que ignorar essa realidade pode tirar a organização do mercado: os executivos da Blockbuster, entre outras empresas, podem nos confirmar.

 A primeira maneira de passar esses sinais a limpo é olhando para as necessidades do seu pessoal, sejam elas voltadas ao treinamento para utilização de novas soluções, sejam as que as pessoas têm a partir de suas expectativas pessoais – como, por exemplo, se sentir bem em uma atividade, sabendo que seu esforço é direcionado a um propósito.

 Sem a preocupação em dar ao ser humano o que ele precisa para fazer seu trabalho da melhor forma possível, é impensável esperar bons resultados. Não espero, com isso, fazê-lo entender que a inteligência artificial não é o futuro – ela apenas não é, hoje, o suficiente. Ao final em todos casos há alguém por trás da máquina, fazendo análises, tirando conclusões e propondo novas estratégias: estava recentemente lendo um especial do New York Times sobre Inteligência Artificial, e um artigo do Cade Metz do título “Machine Learning Takes Many Human Teachers” (ou seja, o Machine Learning Precisa de Muitos Professores Humanos) aponta ao fato que atrás de cada Inteligência Artificial, tem o fator (e a influência, inclusive!) humana: são enormes times de pessoas que tem que categorizar os dados necessários para alimentar as máquinas. IQ + AI= Inteligência ao Cubo?

 É aí que eu te pergunto: sua empresa está respondendo aos sinais errados ou fazendo o certo para se manter competitiva e, principalmente, atualizada com as questões da transformação digital?

 Pense bastante antes de dar sua resposta – e, quando a tiver, vamos continuar o papo aqui nos comentários. 

 

Comentários

Do you want to get to know more about my keynote speeches or our customized podcasts programs to help your company?

In this article filled with testimonials from the leading Digital Transformation experts in the pharmaceutical industry, Andrea lists the top 6 areas of opportunity for the Pharma industry in the Web3, from blockchain to the metaverse, from NFTs to digital twins – clearly presenting to leaders what the main opportunities for the Pharma sector in the Web3 era.

23 de May, 2022 | 52 min

Think about the following situation, which I'm sure has happened to you at work: your manager comes up to you during a year-end feedback session and sets you up with some goals for the year to come. After setting your business unit sales growth target of 15%

12 de January, 2022 | 16 min

Recently, in the midst of the Covid-19 crisis, I had the opportunity to speak to all the teams at Sanofi company about the Challenges and Opportunities of Digital Transformation for the pharmaceutical sector during and after the pandemic. The truth is that the responsibility for the Pharmaceutical sector has never been greater: it needs to transform quickly in order to face [...]

11 de January, 2022 | 41 min

With more than 200 keynotes delivered (online and offline) in 2021 to clients across Brazil, Latin America, the United States and Europe, Andrea is today one of the most requested speakers on Digital Transformation, Leadership, Innovation and Soft Skills in Brazil and globally. He has been the head of Tinder in Latin America for 5 years, and Chief Digital Officer at L’Oréal. Today he is also a best-selling author, and a professor at the Executive MBA at Fundação Dom Cabral.

CONTACT FORM

In order to check Andrea's agenda and get a quote for an event, or even to just get in touch with him - please use the form below.

Andrea Iorio · 2021 © Todos os direitos reservados.

CONTACT FORM

Para consultas de data, propostas comerciais, ou para elogios ou até mesmo reclamações, pode preencher o formulário: