CONSULTAR DISPONIBILIDADE

CONTATO

Para consultas de data, propostas comerciais, ou para elogios ou até mesmo reclamações, pode preencher o formulário:

CHECK AVAILABILITY

CONTACT FORM

In order to check Andrea’s agenda and get a quote for an event, or even to just get in touch with him – please use the form below.

CONSULTAR DISPONIBILIDADE

CONTATO

Para consultas de data, propostas comerciais, ou para elogios ou até mesmo reclamações, pode preencher o formulário:

CONSULTAR DISPONIBILIDADE

CONTATO

Para consultas de data, propostas comerciais, ou para elogios ou até mesmo reclamações, pode preencher o formulário:

CHECK AVAILABILITY

CONTACT FORM

In order to check Andrea’s agenda and get a quote for an event, or even to just get in touch with him – please use the form below.

CONSULTAR DISPONIBILIDADE

CONTATO

Para consultas de data, propostas comerciais, ou para elogios ou até mesmo reclamações, pode preencher o formulário:

COMPARTILHE ESTE CONTEÚDO

SHARE THIS CONTENT

Neste artigo, o Andrea Iorio explora as principais áreas de oportunidade e impacto para empresas tradicionais no mundo da Web 3.0, da Inteligência Artificial, e do Metaverso

Quero que você se imagine na seguinte situação: enquanto um médico checa seus pacientes no hospital, ele percebe que um deles está se recuperando muito lentamente de uma cirurgia simples que fez recentemente. Isso é bastante incomum. O medico então pula para o metaverso, voltando no tempo para checar uma cirurgia abdominal anterior à qual esse paciente foi submetido. Ele puxa este vídeo cirúrgico para mostrar ao paciente e ambos vêem que a área que está se recuperando lentamente desenvolveu tecido cicatricial dessa cirurgia anterior. Então, algumas semanas depois, o paciente leva seus dados pessoais de saúde para um fisioterapeuta que demonstra uns exercícios em um ambiente imersivo simulando um cenário de praia tropical. No final da sessão, o terapeuta avança rapidamente para o futuro para mostrar à paciente como ela estará se movimentando daqui a seis semanas.

Ao mesmo tempo, imagine que outro paciente está tendo alguns problemas de visão, como visão turva, e sem saber do que se trata, vai ao oftalmologista. O oftalmologista não é capaz de diagnosticar nada específico, pois curiosamente todos os sinais relacionados à visão estão indo bem, e o paciente recebe alta sem nenhum diagnóstico claro. Mas como seus dados agora estão no Blockchain – ou seja, compartilhados com outros médicos que receberam permissão para acessar os dados no blockchain (para que não haja violação de privacidade), outro médico que interagiu com o paciente no passado e notou rigidez muscular, pode facilmente ligar os dois sintomas e, por exemplo, identificar a possibilidade de que o paciente esteja em estágios iniciais de esclerose múltipla (que é de fato muito dificil de diagnosticar porque seus sintomas estão desconectados um do outro e geralmente estão dispersos por uma amplo número de especialistas).

Tenho certeza de que você pode pensar: “Andrea, como tudo isso é possível? Como você pode resolver em minutos problemas que a indústria de saude hoje leva semanas, senão meses para resolver?”. Isso soa mais como um roteiro da série “Black Mirror” da Netflix, certo?

Mas não é: é muito mais real do que Black Mirror, e representa algumas das aplicações do mundo real das tecnologias Web3 para o setor de Saúde.

Vamos passo a passo.

Em primeiro lugar, o que é Web3? Bem, a Web3 é considerada por muitos a 3ª iteração da internet, para a qual estamos nos aproximando graças às suas novas tecnologias e conceitos: blockchain, Metaverse, DAOs, gêmeos digitais, criptografia, dApps (Aplicativos descentralizados), NFTs, todos alimentados por IA e ML (Machine Learning), e assim por diante: basicamente, uma nova geração de serviços de Internet que são construídos sobre tecnologias descentralizadas.

Mas como chegamos aqui? Vejamos a evolução da Web: a Web 1.0 veio com o nascimento da Internet e fundamentalmente digitalizou a informação, submetendo o conhecimento ao poder dos algoritmos (esta fase passou a ser dominada pelo Google) e tornando-o em sua maioria somente conteudo a ser consumido . A Web 2.0 veio com as mídias sociais, rodando principalmente em smartphones, e digitalizou as pessoas e submeteu o comportamento e as relações humanas ao poder dos algoritmos (esta fase foi dominada pelo Facebook), e fez da internet não apenas um lugar para consumir conteúdo, mas também para criá-lo.

E a Web3? Esta terceira fase digitalizará fundamentalmente o resto do mundo e o renderizará em 3D. Na Web3, todos os objetos e lugares serão replicáveis ​​e legíveis por máquinas e sujeitos ao poder dos algoritmos. E por quem a Web 3 será dominada? Muito provavelmente por qualquer um e ninguém ao mesmo tempo – exatamente porque é uma web descentralizada, assim como será um lugar para as pessoas consumirem conteúdo, produzi-lo, mas o mais importante: ser o dono deles. Tem certas características, nomeadamente ser descentralizado (como referimos), imersivo (ou seja, é 3D e não apenas 2D como a internet é hoje) e persistente (ou seja, as coisas acontecem mesmo quando não estamos online).

Estatísticas recentes mostram a oportunidade para as empresas mergulharem profundamente na Web3, pois a expectativa do mercado é crescer constantemente: O tamanho do mercado global da Web 3.0 atingiu US$ 3,2 bilhões em 2021 e deve registrar um CAGR de 43,7% até atingir US$ 81,5 bilhões em 2030, de acordo com uma análise mais recente da Emergen Research.

De acordo com algumas de suas tecnologias subjacentes, como o metaverso, a oportunidade também é muito grande: por exemplo, um novo relatório da empresa de pesquisa Gartner prevê que até 2026, 25% das pessoas passarão pelo menos uma hora por dia no metaverso para trabalho, compras, educação, social e/ou entretenimento. Também se espera que 30% das organizações do mundo tenham produtos e serviços prontos para o metaverso até 2026.

Quando se trata de blockchain, embora o setor financeiro responda por mais de 30% do valor de mercado completo da tecnologia (valor de mercado que deve chegar a US$ 67,4 bilhões até 2026, segundo Markets and Markets), o valor dele também começou a se espalhar para outras tecnologias, como manufatura (17,6%), distribuição e serviços (14,6%) e setor público (4,2%).

A interseção de Blockchain e saúde também prova ser um mercado promissor: uma pesquisa da GrandViewResearch mostra que a tecnologia blockchain no mercado de saúde foi avaliada em US$ 1,19 bilhão em 2021 e deve se expandir a uma taxa de crescimento anual composta ( CAGR) de 68,1% de 2022 a 2030. A crescente incidência de vazamentos de informações e violações de dados, juntamente com a crescente exigência de parar esses problemas, são atribuídos ao crescimento do mercado. Iniciativas estratégicas dos principais atores, alta demanda para reduzir a falsificação de medicamentos e a necessidade de sistemas eficientes de gerenciamento de dados de saúde são os principais fatores que levam à adoção da tecnologia.

A verdade é que, embora na área da saúde ainda não estejamos lá quando se trata de maturidade de Web3, vemos uma forte aceleração da Transformação Digital no setor. Como palestrante e pesquisador que trabalha com a maioria das empresas de saúde globalmente (incluindo Siemens Healthineers, Samsung, Bracco, Philips, Johnson & Johnson e muitas outras), estou plenamente ciente do impacto que a digitalização está causando no setor de saúde, especialmente após o Covid-19: de acordo com o novo relatório do Future HEalth Index 2022 da Philips, quase 3.000 líderes de saúde em 15 países revelam como estão aproveitando o poder dos dados e da tecnologia digital para enfrentar seus maiores desafios após o Covid e, de acordo com a Accenture No relatório Digital Health Technology Vision 2021, 81% dos executivos de saúde dizem que o ritmo da transformação digital para sua organização está acelerando e 93% relatam que estão inovando com senso de urgência este ano. Dados são fundamentais para isso, e qual é o principal facilitador de dados na área da saúde? Definitivamente é a Internet das Coisas e dispositivos relacionados – e as estatísticas nos mostram que eles estão crescendo com uma correlação positiva também: o mercado de dispositivos médicos wearables deve atingir mais de US$ 27 bilhões até 2023, um salto espetacular de quase US$ 8 bilhões em 2017.

Mas se podemos concordar que a transformação digital na área da saúde está em andamento no momento (e acelerada pelo Covid-19), ainda temos que admitir que – além de alguns experimentos e projetos-piloto tímidos, mas muito necessários – o setor de saúde não tem muito claro ainda os potenciais impactos e oportunidades da Web3 em seus negócios, do uso do Metaverse para cirurgias ao uso do Blockchain para transformação da supplyh chain, do uso de NFTs para proteger os dados dos pacientes a DAOs para pesquisa e inovação – eventualmente ajudando a fazer o que o para mudar do que hoje é uma assistência médica “reativa” para uma assistência médica muito mais proativa, preditiva e personalizada, agregando mais valor ao paciente final.

É por isso que passei as últimas semanas conversando com especialistas das maiores empresas de saúde do mundo e elaborei este artigo que descreve quais são os principais impactos das tecnologias Web3 e inteligência artificial setor de saúde.

1. Inteligência Artificial e Machine Learning para melhor interpretação de dados de saúde

Gostaria que você imaginasse o seguinte cenário: você é o piloto de um avião e um dia, no meio do voo, um de seus motores quebra. Terrível, certo? Aconteceu de repente, e aparentemente nada seria capaz de prever isso.

Mas a verdade é que, sim, provavelmente seria possível visualizá-lo se o avião estivesse cheio de sensores que capturam dados em tempo real e, por meio de IA, seria capaz de antecipar uma parada do motor por meio de correlações e simulações baseadas em o Big Data que coleta (praticamente como um Tesla é capaz de fazer, diferentemente da maioria dos carros).

Veja o poder do Big Data sendo processado pela Inteligência Artificial, que por definição são sistemas computacionais capazes de realizar tarefas e resolver problemas que normalmente exigem inteligência humana, como percepção visual, reconhecimento de fala, tomada de decisão e tradução entre idiomas, entre outros? Isso nos ajuda a prever mais e reagir cegamente menos. E considere que já vivemos em um mundo com muitos e muitos dados, onde mais de 90% dos dados gerados desde o início da humanidade foram gerados na última década, e onde hoje chegamos ao ponto de 97 Zettabytes de dados até o final de 2022 de acordo com o Statista (que só para se ter uma ideia, um Zettabyte é um número com 12 zeros… são muitos dados!).

Quando se trata de saúde, cerca de 30% de todos os dados do mundo são dados de saúde, com os hospitais gerando 50 petabytes de dados a cada ano. E até 2025, prevê-se que os dados de saúde estejam crescendo na taxa mais alta de qualquer setor.

Então, como Big Data e Inteligência Artificial impactarão o setor de saúde?

A verdade é que há uma infinidade de aplicações, desde atendimento virtual personalizado ao paciente até diagnósticos e previsões aprimorados, até interpretação de imagens médicas e automação: os executivos de saúde reconhecem essa oportunidade, pois, de acordo com uma pesquisa da Optum, 72% dos executivos de saúde confiam na IA para dar suporte a processos administrativos burocraticos e não clínicos para permitir que os médicos tenham mais tempo para o atendimento ao paciente.

Um exemplo é o modelo de IA Clara Guardian da Nvidia, construído na estrutura Clara AI, que simplifica o desenvolvimento e a implantação de sensores inteligentes com IA multimodal, em qualquer lugar de uma unidade de saúde.

Com um conjunto diversificado de modelos pré-treinados, aplicativos de referência e soluções de gerenciamento de frota, os desenvolvedores podem criar soluções mais rapidamente, levando a IA às instalações de saúde e melhorando o atendimento ao paciente. Isso ajuda na criação de “Hospitais Inteligentes”, um conceito também apresentado pela Nvidia, que são hospitais alimentados por IA para melhorar os resultados dos pacientes.

Sensores de temperatura alimentados por IA para triagem de funcionários e pacientes, feeds de vídeo inteligentes para sinalizar o sofrimento do paciente, reconhecimento de fala para inserir dados do paciente em registros médicos eletrônicos, IA de conversação para explicar procedimentos e muito mais estão ajudando a otimizar a eficiência nos cuidados de saúde.

O ecossistema de saúde está percebendo a importância das ferramentas baseadas em IA na tecnologia de saúde de próxima geração. Acredita-se que a IA pode trazer melhorias para qualquer processo dentro da operação e prestação de serviços de saúde. Por exemplo, a economia de custos que a IA pode trazer para o sistema de saúde é um fator importante para a implementação de aplicativos de IA. Estima-se que os aplicativos de IA possam reduzir os custos anuais de saúde nos EUA em US$ 150 bilhões em 2026. Grande parte dessas reduções de custos decorre da mudança do modelo de saúde de uma abordagem reativa para uma abordagem proativa, com foco no gerenciamento da saúde em vez do tratamento de doenças. Espera-se que isso resulte em menos hospitalizações, menos consultas médicas e menos tratamentos. A tecnologia baseada em IA terá um papel importante em ajudar as pessoas a se manterem saudáveis ​​por meio de monitoramento e treinamento contínuos e garantirá diagnósticos precoces, tratamentos personalizados e acompanhamentos mais eficientes.

Espera-se que o mercado de saúde associado à IA cresça rapidamente e atinja US $ 6,6 bilhões até 2021, correspondendo a uma taxa de crescimento anual composta de 40%, de acordo com uma pesquisa de 2017 de Bresnick.

Além disso, as empresas de IA de saúde receberam financiamento elevados no terceiro trimestre de 2020, atingindo 2,5 bilhões de dólares em 122 negócios, de acordo com a CB Insights.

Um ótimo estudo de caso vem do Reino Unido, com o London Medical Imaging & AI Center for Value-Based Healthcare. É um consórcio de parceiros acadêmicos, do NHS e da indústria liderados pelo King’s College London (KCL) e sediados no Hospital St Thomas. As diversas equipes de pesquisa estão treinando algoritmos sofisticados de inteligência artificial a partir de uma vasta gama de imagens médicas do NHS e dados de trajeto do paciente para criar novas ferramentas de saúde. Para os pacientes, eles fornecerão diagnósticos mais rápidos, terapias personalizadas e triagem eficaz em uma variedade de condições e procedimentos. Por meio de foco e experiência em saúde baseada em valor, o centro está examinando como a IA pode ser usada para otimizar a triagem e direcionar recursos para fornecer economias financeiras significativas para o NHS e os sistemas de saúde em geral. O centro foi estabelecido como parte do Fundo de Desafio de Estratégia Industrial do Governo do Reino Unido, entregue por meio de Pesquisa e Inovação do Reino Unido.

Em outro caso da Nvidia, o Chang Gung Memorial Hospital (CGMH) – o maior sistema médico de Taiwan com uma rede composta por 7 filiais hospitalares – estabeleceu o Centro de Inteligência Artificial em Medicina (CAIM) em 2018 para desenvolver a estratégia de IA em CGMH e implementar a tecnologia de IA na prática clínica do mundo real. Melhorar o processo de diagnóstico médico desenvolvendo um sistema de imagens médicas de IA é uma das principais tarefas do centro. Para acelerar o desenvolvimento de ferramentas de IA, a CAIM implementou o Pure Storage AIRI (AI-Ready Infrastructure), solução de infraestrutura integrada da Pure Storage e NVIDIA. A implantação AIRI do CAIM está equipada com quatro sistemas NVIDIA DGX-1, cada um integrando 8 dos aceleradores de data center mais rápidos do mundo – as GPUs NVIDIA V100 Tensor Core, oferecendo mais de um petaFLOPS de desempenho de computação de IA por sistema. Com a solução AIRI, os médicos só precisam se concentrar em treinar os modelos de IA e verificar sua confiabilidade. Até agora, a solução AIRI foi aplicada a uma variedade de projetos, incluindo a identificação de fraturas de quadril a partir de radiografias de quadril, reconhecimento de padrões de imunofluorescência e classificação de tipos de células sanguíneas, etc. A classificação de tipos de células sanguíneas atingiu 99% de precisão geral. Quando comparado a uma máquina, dois especialistas em inspeção médica e um especialista clínico levam cerca de 3 a 5 minutos para avaliar 25 imagens para obter 100% de precisão. No entanto, a interpretação da máquina leva apenas 2 segundos para ser concluída.

2. Metaverso para “telepresença” imersiva

“Meta-o quê?”: Tenho certeza de que essa foi sua reação ao recente anúncio de Mark Zuckerberg sobre o rebranding do Facebook para Meta. Pelo menos, isso era meu. Mas, curiosamente, agora todos falamos sobre o Metaverso graças a esse anúncio e, embora não seja uma ideia nova, só recentemente conseguimos entender melhor suas implicações para as empresas de saúde, especialmente pela maneira como realizam cirurgias e interagem com os pacientes.

O que e é o Metaverso?

O termo nasceu da junção do prefixo grego “meta” (que significa além) e “universo”, e fundamentalmente é um espaço compartilhado virtual e coletivo, criado pela convergência de recursos físicos virtualmente aprimorados realidade (representada pelos “Gêmeos Digitais”, dos quais falaremos), e o espaço virtual que já permeia o mundo físico (em especial a Realidade Aumentada, também chamada de AR). Confuso?

Pense assim: hoje estamos basicamente online quando acessamos a internet, mas com novos dispositivos, maior conectividade como 5G e tecnologias de ponta, estaremos online o tempo todo em mundos descentralizados, imersivos e persistentes.

Uma das grandes oportunidades que o Metaverse está proporcionando ao setor da Saúde é, de forma geral, “aproximar-se” do paciente, em todas as suas frentes, bem como colaborar melhor. Comecemos pelo uso de AR e VR na área da saúde, que é um primeiro passo para um metaverso mais imersivo e persistente.

Já em 2020, neurocirurgiões da Johns Hopkins realizaram a primeira operação de AR (realidade aumentada) da instituição em pacientes vivos: um médico usou 6 parafusos para fundir 3 vértebras na coluna de um paciente para curar dores nas costas persistentes, usando um headset especial da empresa israelense Augmedics.

Ao mesmo tempo, a VR provou ser uma ótima tecnologia para tratar pacientes: dez anos atrás, dizer às pessoas que você poderia reduzir sua dor com um dispositivo semelhante a um videogame teria recebido gargalhadas, mas hoje, a Realidade Virtual ( VR) prova ser uma tecnologia chave que ajuda no controle da dor, por exemplo, entre muitas outras aplicações. A tecnologia VR está sendo usada não apenas para tratar a dor, mas tudo, desde ansiedade até transtorno de estresse pós-traumático e acidente vascular cerebral.

E isso é apenas uma fração dos recursos comprovados da VR na área médica. Outros usos incluem médicos e residentes usando simulações de realidade virtual para aprimorar suas habilidades ou planejar cirurgias complicadas. Os headsets de VR também podem motivar os usuários a se exercitar e ajudar as crianças com autismo a aprender a navegar pelo mundo.

De startups a gigantes farmacêuticos, todo mundo está apostando em VR e há números para apoiá-los. A realidade virtual e aumentada global no mercado de saúde deve atingir US$ 5,1 bilhões até 2025.

Um ótimo relatório da Accenture chamado “Accenture Digital Health Vision 2022: Meet me in the Metaverse”, pesquisou executivos de saúde e provou que mais de 80% dos líderes de saúde veem o metaverso tendo um impacto positivo no futuro, pois no metaverso podemos transcender tempo e espaço para simular interações, encurtar ciclos de aprendizagem e praticar procedimentos, como no treinamento cirúrgico.

Podemos criar experiências distintas para pacientes que replicam o mundo físico, mas removem suas restrições. Podemos ajudar os profissionais de saúde a criar empatia em torno da experiência humana de pessoas que envelhecem ou de pessoas com necessidades historicamente mal atendidas, vivendo virtualmente no lugar de outras pessoas.

Torbay e South Devon NHS Foundation Trust estão testando o Microsoft HoloLens 2 e o Dynamics 365 Remote Assist na Breast Care Unit, onde enfermeiras especializadas enviam feeds de vídeo em tempo real para consultores para obter conselhos imediatos sobre as necessidades de um paciente. Os consultores podem adicionar marcadores digitais e anotações aos vídeos para orientar os enfermeiros.

Imagine: assim como o Fortnite permite que uma centena de jogadores jogue competitivamente em um ambiente compartilhado, essa tecnologia pode permitir que até centenas de médicos diagnostiquem e tratem de forma competitiva (e colaborativa) pacientes virtuais em conferências médicas presenciais e online, em especialidades como dermatologia , reumatologia e imunologia.

Quando aplicados na sala de cirurgia, os headsets de AR podem projetar digitalmente o gêmeo digital de um paciente em cima do corpo físico durante a cirurgia. Os cirurgiões podem ver os dados de tomografia computadorizada e ressonância magnética “dentro” do paciente enquanto realizam um procedimento, sabendo exatamente onde a agulha, bisturi ou broca se alinhará com a anatomia. Os cirurgiões já realizaram cirurgias de realidade aumentada em pacientes vivos, corrigindo problemas de coluna e removendo tumores. É aqui que a interseção dos mundos digital e físico tem valor real.

Em última análise, o que realmente separa o metaverso da Medicina do hype sobre o qual você pode estar lendo é que você não precisa esperar pacientemente, esperando ver o valor social e comercial um dia. Do treinamento colaborativo baseado na nuvem ao planejamento cirúrgico de AR, em muitos casos o valor já está sendo percebido ou está prestes a acontecer hoje. Está sendo realizado para pacientes, profissionais médicos, para a sociedade e para a indústria.

3. Blockchain para acesso e compartilhamento de dados de saúde

Um estudo recente da GrandViewResearch mostra que a tecnologia blockchain global na area de saúde foi avaliada em US$ 1,19 bilhão em 2021 e deve se expandir a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 68,1% de 2022 a 2030.

Esta é definitivamente uma grande oportunidade, mas antes de chegarmos à sua aplicação no setor de saúde, vamos primeiro entender melhor o que é a tecnologia Blockchain.

O que é Blockchain?

Blockchain é basicamente um banco de dados distribuído que é compartilhado entre os nós de uma rede de computadores, que armazena informações eletronicamente em formato digital. Um blockchain reúne informações em grupos, conhecidos como blocos, que contêm conjuntos de informações e que possuem determinadas capacidades de armazenamento e, quando preenchidos, são fechados e vinculados ao bloco preenchido anteriormente, formando uma cadeia de dados conhecida como blockchain. Todas as novas informações que seguem esse bloco recém-adicionado são compiladas em um bloco recém-formado que também será adicionado à cadeia uma vez preenchido e, quando preenchido, é gravado e se torna parte dessa linha do tempo. Cada bloco na cadeia recebe um carimbo de hora exata quando é adicionado à cadeia. Ve? O blockchain é uma Distributed Ledger technology (DLT), onde esse banco de dados é distribuído entre vários nós de rede em vários locais, o que o torna descentralizado.

Blockchain na saúde

E quando se trata de seus possíveis impactos na saúde, podemos listar vários, como transparência da cadeia de suprimentos, registros eletrônicos de saúde centrados no paciente, contratos inteligentes para seguros e acordos da cadeia de suprimentos, verificação de credenciais da equipe médica e segurança IoT para monitoramento remoto, entre outros. Eventualmente, Blockchain é uma tecnologia poderosa para permitir o compartilhamento seguro de dados e acesso entre várias partes. Este é um grande desafio na saúde digital, onde a privacidade e a segurança dos dados médicos são primordiais, mas onde a melhoria da qualidade do atendimento não pode acontecer sem mais coordenação no gerenciamento de dados do paciente em todo o sistema de saúde e a capacidade de aplicar análises ao nível da população dados médicos. Em suma, o blockchain pode ajudar a saúde digital, facilitando o compartilhamento de dados com segurança, com o consentimento do paciente, em sistemas de saúde muito fragmentados.

Embora o segmento de aplicativos de gerenciamento da supply chain represente mais de 25% da participação da tecnologia blockchain no mercado de saúde em 2021, de acordo com o GrandViewResearch, já discutimos o impacto do blockchain na cadeia de suprimentos médica no artigo Pharma, então não vou ser repetitivo aqui e eu recomendo ir ouvir o episodio 104, e focar mais nos registros de saúde aqui.

A partir dos registros de saúde, os sistemas de saúde em todos os países e regiões estão lutando com o problema dos silos de dados, o que significa que os pacientes e seus profissionais de saúde têm uma visão incompleta dos históricos médicos. Em 2016, a Universidade Johns Hopkins publicou uma pesquisa mostrando que a terceira principal causa de morte nos EUA foram erros médicos resultantes de cuidados mal coordenados, como ações planejadas não concluídas como pretendido ou erros de omissão nos registros dos pacientes.

Uma solução potencial para esse problema é criar um sistema baseado em blockchain para registros médicos que pode ser vinculado ao software de registro médico eletrônico existente e atuar como uma visão abrangente e única do registro de um paciente. É crucial enfatizar que os dados reais do paciente não vão para o blockchain, mas que cada novo registro anexado ao blockchain, seja uma nota médica, uma prescrição ou um resultado de laboratório, é traduzido em uma função hash exclusiva – uma pequena sequência de letras e números. Cada função de hash é única e só pode ser decodificada se a pessoa que possui os dados – neste caso, o paciente – der seu consentimento.

Nesse cenário, toda vez que há uma alteração no prontuário de um paciente, e toda vez que o paciente consente em compartilhar parte de seu prontuário, ele é registrado no blockchain como uma transação.

A Medicalchain é um exemplo líder de uma empresa que trabalha com provedores de saúde para implementar EMRs habilitados para blockchain: é uma empresa que usa a tecnologia blockchain para gerenciar com segurança registros de saúde para uma abordagem colaborativa e inteligente à saúde.

O surgimento de registros de saúde de pacientes muito mais completos, digitalizados e compartilháveis ​​terá um impacto profundo no mercado de saúde, alimentando análises mais avançadas. Por exemplo, a medicina personalizada é um campo promissor, mas seu desenvolvimento é severamente prejudicado pela falta de dados suficientes de alta qualidade. O acesso a dados populacionais mais confiáveis ​​e difundidos permitiria uma segmentação e análise muito mais poderosas dos resultados de medicamentos direcionados.

Um exemplo concreto é fornecido pela Mayo Clinic, conhecida por seu atendimento de alta qualidade ao paciente e conhecido como um dos melhores hospitais dos EUA, em parceria com a Medicalchain, start-up de blockchain do Reino Unido, para apoiar o desenvolvimento de novos serviços. O interesse da clínica em blockchain permitirá que as duas organizações explorem os benefícios que isso pode trazer aos registros médicos, proporcionando velocidade, redução nos custos de saúde, maior segurança e resultados positivos garantidos para os pacientes, oferecendo atendimento totalmente conectado, em vez de uma resposta fragmentada e em silos . Ao fornecer ao paciente acesso e controle total sobre seus dados, via celular ou desktop, eles terão a capacidade de fornecer diferentes níveis de acesso a vários usuários, atribuindo permissões e designando quem pode consultar e gravar dados em seu registro de saúde blockchain.

Ao possuir totalmente seu prontuário médico por meio da tecnologia blockchain, os pacientes poderão “possuir” seu prontuário, garantindo maior confiança e transparência, além de obter a capacidade de revogar usuários, se necessário, para garantir uma segurança robusta dos dados.

Os médicos aprovados terão a capacidade de “ler e escrever” nos prontuários do paciente e indicar quem acessou seus dados médicos, a hora do acesso e os tipos de dados que podem ser acessados.

Agora, quanto aos acordos, sabemos que existem muitas eficiências e disputas entre os prestadores de serviços de saúde, para que o Blockchain possa provar ser uma tecnologia que resolve tudo isso: empresas como Chronicled e Curisium fornecem sistemas baseados em blockchain onde vários players da área de saúde setor, como empresas farmacêuticas, OEMs de dispositivos médicos, atacadistas, seguradoras e prestadores de serviços de saúde, podem autenticar suas identidades como organizações, registrar detalhes do contrato e rastrear transações de bens e serviços e detalhes de liquidação de pagamento para esses bens e serviços. Esse tipo de ambiente vai além do gerenciamento da cadeia de suprimentos para também permitir que parceiros comerciais e seguradoras no setor de saúde operem com base em termos de contrato totalmente digitais e, em alguns casos, automatizados.

Ao ter contratos digitais compartilhados entre fabricantes, distribuidores e organizações de saúde registrados no blockchain, em vez de cada player ter sua própria versão de contratos, eles podem reduzir significativamente as disputas sobre pedidos de estorno de pagamento de medicamentos prescritos e outros bens. De acordo com a Chronicled, como as estruturas de preços mudam frequentemente, há mais de um milhão de reclamações de estorno feitas entre esses jogadores todos os anos, mais de 5% das quais são contestadas, exigindo uma resolução manual demorada.

Da mesma forma, contratos inteligentes compartilhados podem ser usados ​​para gerenciar contratos de seguro médico para pacientes, onde o Curisium afirma que 10% das reivindicações são contestadas. Como em outros casos de uso, uma vez que esses dados são digitalizados e facilmente acessíveis, as seguradoras podem usar análises mais avançadas para otimizar resultados e custos de saúde.

4. Gêmeos Digitais para simulações e previsões

Em 2019, Kevin Kelly, fundador da revista Wired, escreveu uma incrível matéria de capa para a revista chamada “Welcome to the Mirrorworld”, onde descreve como a Realidade Aumentada desencadeará as próximas grandes plataformas de tecnologia. Ele escreveu: “Estamos construindo um mapa-múndi de 1 para 1 de alcance quase inimaginável. Quando concluída, nossa realidade física se fundirá com o universo digital.” Em outras palavras, prepare-se para conhecer seu gêmeo digital e o gêmeo digital de sua casa, seu país, seu escritório e até do mundo.

“Gêmeo digital?”, você deve estar se perguntando, especialmente depois de ter lido sobre esse conceito anteriormente no artigo.

Bem, deixe-me apresentar um dos primeiros blocos de construção por trás do metaverso, ou seja, o conceito de “gêmeos digitais”. Um gêmeo digital é, de acordo com a definição da IBM, uma representação virtual de um objeto ou sistema, ou mesmo pessoa como vimos, que abrange seu ciclo de vida, é atualizado a partir de dados em tempo real e usa simulação, aprendizado de máquina e raciocínio para ajudar no processo de tomada de decisão. Imagine uma grande empresa manufatureira tendo gêmeos digitais de seus equipamentos: por meio deles, um engenheiro de sua casa poderá resolver problemas em uma fábrica de outro continente através do Metaverso. As mesmas tecnologias permitirão reuniões de escritório muito mais produtivas do que as ferramentas de videoconferência bidimensionais atuais. Os aplicativos voltados para o cliente podem incluir a criação de gêmeos digitais no varejo, oferecendo experiências de atendimento ao cliente que não seriam possíveis no mundo físico, e até mesmo empresas de engenharia como a Ericsson estão usando gêmeos digitais para simular o impacto de árvores caindo em suas antenas 5G. Incrível, certo?

E quando chegamos à área de saúde e observamos as possíveis implicações para o setor, podemos usar gêmeos digitais em inúmeras aplicações, desde treinamento para criar gêmeos digitais de pacientes até a criação de cenários virtuais para treinamento e assim por diante.

As empresas de dispositivos médicos e ciências da vida também podem usar essa tecnologia para ensinar e treinar profissionais de saúde em seus dispositivos e terapias. Por exemplo, a Brainlab, com sede em Munique, criou uma versão virtual interativa de seu sistema de radioterapia que replicou uma visita ao local do hospital, permitindo que os profissionais de saúde se envolvam passo a passo com sua tecnologia e software de qualquer lugar, a qualquer hora – tudo disponível para transmissão para vários usuários em qualquer dispositivo.

Nesse e em muitos casos semelhantes, em vez de viajar de hospital em hospital (desafiador mesmo antes da pandemia) ou tentar explicar equipamentos multimilionários usando slides ou vídeos, as empresas podem permitir que profissionais de saúde diagnostiquem, tratem e operem pacientes virtuais juntos pelo Microsoft Teams. Essas tecnologias moverão a agulha (em escala) de uma perspectiva de negócios, aumentando de forma mensurável o tempo, as vendas e o desempenho

Quando se trata de Gêmeos Digitais aplicados a pacientes, os gêmeos digitais podem capturar grandes quantidades de dados de exames de pacientes (RM, TC, ultrassonografias) ao longo do tempo – reunidos em uma única visualização – para planejar cirurgias e monitorar a progressão e o tratamento da doença. Em muitos casos, protótipos e réplicas do corpo humano, sistemas hospitalares ou hospitais inteiros já estão em uso. Jack Latus, CEO da Latus Health – um provedor de saúde online especializado em saúde ocupacional – acredita que os gêmeos digitais acabarão se tornando “bonecos de teste” para indivíduos que podem ser usados ​​para prever tudo, desde como nos recuperaremos da cirurgia até as reações que teremos a medicamentos específicos. Isso acontecerá por meio de nossa crescente capacidade de mapear e entender a genética individual. Durante uma conversa recente, ele disse: “Seremos capazes de avançar – então, se envelhecermos esse gêmeo em dez anos, com base nessas intervenções que estamos fazendo – como isso afeta o gêmeo? “Você começa a quase poder ver o futuro… veremos que esse é o resultado que vamos obter se seguirmos esse protocolo pelos próximos dez anos.

5. IoT e 5G para melhor conectividade e baixa latência

Há muita conversa acontecendo globalmente sobre as oportunidades que o 5G, a rede móvel de 5ª geração. É um novo padrão sem fio global após as redes 1G, 2G, 3G e 4G. O 5G permite um novo tipo de rede projetada para conectar praticamente tudo e todos, incluindo máquinas, objetos e dispositivos.

A tecnologia sem fio 5G destina-se a oferecer velocidades de dados de pico multi-Gbps mais altas, latência ultrabaixa, mais confiabilidade, capacidade de rede massiva, maior disponibilidade e uma experiência de usuário mais uniforme para mais usuários. Nos dias em que estou escrevendo isso, o 5G está sendo testado no Brasil e, embora a maior parte da conversa seja em torno dos problemas que pode trazer para os aeroportos e os obstáculos para escalá-lo para áreas rurais, a oportunidade é enorme, especialmente quando chega à saúde.

Eventualmente, espera-se que o 5G seja 100 vezes mais rápido que o 4G enquanto lida com muito mais conexões – o que significa que é uma infraestrutura móvel que aproveitará o poder da Internet das Coisas. Vejamos a telemedicina como um exemplo: sessões básicas de um a um com pouco toque já são viáveis ​​com 4G, mas o 5G nos dá o potencial de mover essas interações muitas etapas além, adicionando, por exemplo, sensor e realidade virtual à teleconferência, permitindo assistência médica trabalhadores monitorem remotamente os sinais vitais durante as chamadas. Além disso, como o 5G permite a transferência de pacotes de dados consideráveis, também é possível testar pacientes com condições de alterações nos batimentos cardíacos, açúcar no sangue e pressão arterial várias vezes ao dia usando scanners vinculados à nuvem.

Ve? O 5G é o poder de conexão que faz com que o mundo da IA ​​e da Web3 tenha um impacto positivo na saúde. Vejamos alguns exemplos concretos relacionados à enorme quantidade de dados gerados: Um paciente pode gerar centenas de gigabytes de dados todos os dias, desde registros médicos de pacientes até grandes arquivos de imagem criados por exames de ressonância magnética, tomografia computadorizada ou PET. A

ssim, um projeto 5G da AT&T e do Austin Cancer Center mostrou que a adição de uma rede 5G de alta velocidade às arquiteturas existentes pode ajudar a transportar de forma rápida e confiável grandes arquivos de dados de imagens médicas, o que pode melhorar o acesso e a qualidade do atendimento.

No Austin Cancer Center, o scanner PET gera arquivos extremamente grandes — até 1 gigabyte de informações por paciente por estudo. Jason Lindgren, CIO do Austin Cancer Center, disse: “Para obter tantos dados de um lado da cidade para outro, você precisa ter o desempenho da rede para lidar com isso. Costumávamos enviar os arquivos depois do expediente. Agora, assim que o paciente sai do scanner, o estudo já está a caminho. É benéfico para os médicos porque eles podem obter os resultados de que precisam mais rapidamente”. Isso é muito poderoso!

Além disso, um relatório da Accenture revela que o uso de tecnologia de saúde digital está aumentando, com o uso de wearables subindo de 17% em 2020 para 24% em 2021. De acordo com Lisa Anne Bove em seu artigo para The Journal of Nurse Practitioners , os wearables podem aumentar o envolvimento dos pacientes com sua saúde. Espera-se que esse envolvimento diminua os custos hospitalares em 16% nos próximos cinco anos.

Muitas empresas de saúde já estão investindo e implantando a primeira camada de tecnologia mundial programável, criando uma base conectada. Por exemplo, 80% dos executivos de saúde que pesquisamos dizem que o número de dispositivos IoT/de ponta implantados em sua organização aumentou “significativamente” ou “exponencialmente” nos últimos três anos.

Isso pode ser um enorme negócio para as operadoras de telecomunicações, é claro: uma pesquisa da Ericsson mostrou que o potencial de receita de abordar a digitalização do setor de saúde com 5G é enorme, apontando para um total de 75,7 bilhões de dólares estimados em 2026, divididos nas seguintes verticais: paciente aplicativos (49,2), aplicativo hospitalar (19,8), saúde outros (5,2) e gerenciamento de dados médicos (1,6).

Com relação ao impacto da convergência entre 5G e IoT, gosto muito da definição da Accenture que menciona que isso dá origem a um “mundo programável”. Eles dizem no relatório “Meet me in the Metaverse” que “enquanto o metaverso é sobre alavancar a experiência imersiva do mundo virtual, o mundo programável é sobre construir a próxima versão do mundo físico na área da saúde”.

Neste mundo, controle, customização e automação estarão enredados no ambiente ao nosso redor. As pessoas terão uma capacidade sem precedentes de comandar o mundo para atender às suas necessidades individuais, decidindo o que veem, interagem e experimentam com maior facilidade e fidelidade do que nunca.

As empresas de saúde vão construir e entregar essas experiências, bem como reinventar suas próprias operações, para um novo tipo de mundo no qual podemos tornar os espaços físicos adaptáveis ​​às nossas necessidades e ao mesmo tempo melhorar a sustentabilidade ambiental. Por exemplo, a Johnson Controls está usando ferramentas digitais para aumentar a segurança do paciente e melhorar os resultados.

Quando os códigos são chamados, os controles digitais em cada quarto do paciente são ajustados instantaneamente para ajudar a acelerar a resposta. Durante um evento médico, o OpenBlue Code Blue Optimization da empresa usa IA para preparar a sala com base na configuração selecionada. Um botão inicia recursos como alertar os médicos e direcioná-los para o quarto do paciente correto, ajustar a temperatura e as luzes do ambiente, desligar os dispositivos de mídia e definir a altura ideal da cama do paciente.

Considere o que pode acontecer a seguir, pois os controles digitais podem ser programados para fornecer atendimento direto por meio de robôs ou desinfetar ferramentas automaticamente após um procedimento.

Além de 5G e IoT, as tecnologias que compõem o mundo programável incluem: Materiais inteligentes, que podem detectar e responder às mudanças em seu ambiente. Esses materiais podem ter inteligência “embutida”, não exigindo, portanto, que sistemas computacionais externos reajam, ou podem ser conectados ou controlados por sistemas computacionais ou comando direto; Computação ambiental, que usa dispositivos IoT interconectados para integrar a computação nos ambientes em que as pessoas vivem e transformar o mundo em uma camada de interação perfeita e, eventualmente, AR.

6. Tokenização e NFTs para proteção de IP e dados

Quem não ouviu falar da palavra da moda NFT ultimamente? Impossível não ter sido impactado por esse termo, que na maioria das vezes está relacionado à “arte digital” – e tenho certeza que você está como agora: “Andrea, o que isso tem a ver com Pharma?”.

Bom, para começar temos que entender o que são NFTs, ou Non-fungible Tokens, para entender que suas aplicações vão muito além da arte e do jogo, e não são apenas a bolha especulativa que estamos vendo agora.

O que são NFTs?

NFTs podem ser pensados ​​como uma assinatura para ativos digitais, que dependem da tecnologia blockchain para provar a autenticidade por meio de um livro-razão. Ao confirmar a autenticidade, os NFTs estabelecem a propriedade de ativos on-line únicos que podem variar de uma simples imagem pixelizada a um conjunto complexo de dados, impossibilitando a duplicação sem permissão (para esclarecer, isso significa que um conjunto de dados pode ser imitado, mas o original é sempre claramente identificável: por exemplo, você poderia ler o primeiro Tweet de Jack Dorsey no Twitter em toda a Internet, mas o original foi leiloado por US $ 2,9 milhões.

NFTs na Saúde

Ao contrário da grande atração de NFTs como investimentos, as aplicações de NFTs em saúde e marketing farmacêutico não se destinam apenas a gerar lucro. Em vez disso, os NFTs serviriam como uma solução para verificação de serviços de saúde digitalizados, autenticação de credenciais e dados e proteção de propriedade intelectual (IP). Em seu nível mais básico, essa tecnologia pode ajudar a encurtar a jornada de assistência médica e eliminar o erro humano e, em seu auge, pode melhorar a transparência no espaço para profissionais de saúde e pacientes.

Vamos começar com a propriedade dos dados: os NFTs podem realmente criar bem social, devolvendo a propriedade dos dados aos pacientes, argumenta uma publicação recente do Baylor College of Medicine – especificamente, no setor de saúde.

Na revista Science, uma equipe multidisciplinar de estudiosos de bioética, direito e informática escreve que os NFTs, como um contrato digital de propriedade, podem ajudar os cidadãos a rastrear e controlar quem acessa seus registros pessoais de saúde.

O sistema de manutenção de registros de saúde como existe hoje é uma confusão organizacional – um problema em si mesmo – mas também priva o indivíduo, que essencialmente perde todo o poder de decidir quem pode ver seus dados pessoais quando a prancheta sai de suas mãos. Vimos tudo isso no capítulo sobre Blockchain.

Após a coleta de dados, as informações são transcritas em um prontuário eletrônico, que pode então ser comercializado e distribuído de formas imprevistas. Mais importante, essa informação é valiosa. “Na era do big data, as informações de saúde são sua própria moeda; tornou-se comodificado e lucrativo”, diz a Dra. Amy McGuire, autora sênior do artigo. A propriedade dele, por meio do registro de blockchain da NFT, pode permitir que os indivíduos rastreiem a venda de seus dados – ou interrompam, ou até lucrem.

Um exemplo? Aimedis, uma plataforma de saúde habilitada para blockchain, foi uma das primeiras a lançar um mercado de dados médicos e científicos em NFT em 2021 e criou os primeiros NFTs para pacientes cardiológicos contendo informações de ECG, tratando com sucesso pacientes no metaverso. Também trabalha em parceria com a World Federation for Neurorehabilitation, que atende até 100 milhões de pacientes e visa usar o Metaverse médico para serviços de reabilitação de RV. Em uma entrevista para a Omnia Health, Michael Kaldash, CEO da Aimedis, disse que “Dados médicos têm dois grandes problemas – eles detêm propriedade intelectual e contêm royalties que devem ser pagos. NFTs são informações únicas no blockchain que são incorruptíveis e podem estar conectado a contratos inteligentes, pagando royalties a todos os envolvidos. Portanto, os NFTs possuem soluções potenciais para compartilhamento e uso de dados médicos”.

Além disso, os doadores de sangue são marcados com um token específico que pode ser acompanhado pelo sistema. A doação pode então ser seguida desde o transporte até o hospital, em um banco de sangue e em seu eventual destinatário. O sangue pode então ser registrado por seu NFT em um “banco de sangue” digital, onde a necessidade de determinados tipos de sangue pode ser rastreada por um sistema blockchain e entregue onde for mais necessário.

IP-NFT

Ao mesmo tempo, os NFTs podem ajudar a proteger a propriedade intelectual: até um novo padrão foi criado: o IP-NFT. IP-NFTs representam direitos legais de propriedade intelectual completos e controle de acesso a dados para pesquisa biofarmacêutica. Mais importante, eles representam o anúncio de uma classe de ativos totalmente nova: IP virtualizado.

Este primeiro projeto surgiu de um projeto de pesquisa de longevidade de Morten Scheibye-Knudsen na Universidade de Copenhague, onde em uma transação histórica, o primeiro biofármaco IPNFT foi transferido com sucesso para um coletivo de pesquisa, VitaDAO, para financiar novas terapias de longevidade na Universidade de Copenhague.

Isso foi facilitado pela Molecule, uma startup que pretende se tornar um OpenSea de IP de biotecnologia, impulsionando uma nova economia de criadores para pesquisadores que permite o rápido financiamento, descoberta e desenvolvimento de terapias por meio de coletivos de pacientes conectados globalmente.

Como funcionará este mercado IP-NFT?

Em resumo, permite que o IP entre na Web3. Se a Web1 é a camada de informação (pense no Google) e a Web2 é a camada de comunicação (pense no Facebook e no celular), então a Web3 é a camada de monetização que conecta a Web1 e a Web2. A cunhagem de IP como um NFT permite que o IP seja financeirizado – ele pode ser mantido por um DAO, tokenizado, ter um mercado líquido criado em torno dele, garantido e emprestado.

Então, para recapitular, o que um IP NFT pode fazer por você? De acordo com Tyler Golato, cientista líder da Molecule, você pode:

Arrecadar fundos comercialmente sem precisar patentear antecipadamente ou criar uma startup.

Envolva diretamente grupos de partes interessadas, como pacientes, colabore com outros pesquisadores para promover a ciência aberta e obtenha atenção por meio de um mercado público.

Colabore em tarefas de pesquisa utilizando controle de acesso a dados e sistemas de recompensas.

Crie novas estratégias de financiamento/monetização que aproveitem os mercados de dados.

Tudo isso é extremamente poderoso e importante no setor de saúde.

7. DAOs para colaboração em pesquisa, assistência e financiamento.

Você sabe como funciona uma cooperativa? Falo muito para cooperativas no Brasil, especialmente nos setores financeiro e agro, e sempre me surpreendi com a forma como elas conseguem ser mais centradas no cliente e colaborativas, por causa de sua estrutura de “propriedade” – que, para explicar o mais brevemente possível, é basicamente um modelo em que a organização é “propriedade” de seus clientes.

Isso definitivamente torna a prestação de contas muito mais importante, torna a divisão de lucros mais igualitária e, como mencionei antes, torna a organização mais focada no cliente (já que os cooperados, ou seja, os clientes-proprietários, tomam decisões sobre a estratégia cooperativa durante reuniões regulares) .

E enquanto o cooperativismo tradicional nasceu em 1844 na Inglaterra, agora vemos uma nova forma de cooperativismo em ascensão através da Web3: aquela trazida pelas DAOs, ou Organizações Autônomas Descentralizadas.

O que são DAOs, para começar?

Um DAO é um novo tipo de estrutura organizacional, construída com tecnologia blockchain, que é frequentemente descrita como uma espécie de cooperação criptográfica. Em sua forma mais pura, os DAOs são grupos que se formam para um propósito comum, como investir em startups, gerenciar uma stablecoin ou comprar um monte de NFTs. A ConsenSys, uma organização blockchain, define DAOs como “órgãos governamentais que supervisionam a alocação de recursos vinculados aos projetos aos quais estão associados e também têm a tarefa de garantir o sucesso a longo prazo do projeto que apoiam”. Uma vez formado, um DAO é executado por seus membros, geralmente por meio do uso de tokens de criptografia. Esses tokens geralmente vêm com certos direitos, como a capacidade de gerenciar um tesouro comum ou votar em determinadas decisões.

E como os DAOs podem causar impacto na área da saúde? Bem, um de seus usos pode ser útil para colaborar em torno de IP e permite melhor licenciamento e descoberta por meio da colaboração em pesquisa.

Alguns exemplos de trabalho no campo?

LabDAO

LabDAO conecta pesquisadores em todo o mundo para que possam colaborar de forma mais eficiente. A equipe o compara a um “mercado” ponto a ponto para cientistas, no qual eles podem trocar habilidades, conhecimento, acesso a serviços e equipamentos de laboratório e resultados sem a necessidade de viajar pessoalmente pelo mundo. Por exemplo, se o cientista A tem um experimento que precisa do equipamento A, que o cientista B possui, o cientista A pode se conectar com o cientista B para realizar o experimento e obter os resultados. O LabDAO visa otimizar os custos de pesquisa em biotecnologia, aumentar o potencial na esfera e facilitar a cooperação em escala global.

GenomesDAO

GenomesDAO é uma “empresa de segurança de dados genômicos” com o objetivo de democratizar e descentralizar a área de genômica na área da saúde. Fundada em 2018, visa devolver a propriedade do genoma de um indivíduo ao indivíduo, visando as preocupações de segurança e privacidade em torno dos testes de DNA e com quem esses dados são emparelhados. O DAO espera que, ao construir um banco de dados mundial de dados de DNA de propriedade do usuário, no futuro a medicina personalizada se torne uma realidade. Ao contrário de serviços como o 23&Me, ele visa garantir que a propriedade permaneça com o proprietário da DNA.

Definitize

Além disso, os DAos podem ser benéficos para o financiamento tradicional da saúde. Um exemplo? Definitize, Definitize é a primeira Organização Autônoma Descentralizada (DAO) do mundo que usa DeFi para financiamento de saúde. Com as finanças tradicionais falhando continuamente em atender às necessidades das partes interessadas no setor de saúde, o Definitize foi projetado para resolver esse problema e melhorar o acesso aos cuidados em escala global.

Ao usar o financiamento descentralizado para democratizar a saúde, o Solve.Care visa fornecer melhores resultados aos pacientes e promover a transparência no setor. Ao entregar a Definitize à comunidade para ser proprietária e governar, todas as partes interessadas, incluindo pacientes e profissionais de saúde, podem desempenhar um papel direto na criação de um impacto para melhorar a saúde. Os usuários podem participar apostando SOLVE – a moeda digital nativa do Solve.Care – para minerar tokens de governança DCARE e se tornar cidadãos/proprietários da Definitize para obter uma parte da receita de todos os pools de ativos da Definitize. Ou, eles podem decidir financiar pools de ativos específicos que financiariam projetos de saúde específicos para ganhar juros e uma parte da receita que esse pool de ativos gera. Alternativamente, a comunidade pode apresentar uma proposta ao DAO para se tornar um distribuidor.

Com o Definitize, pacientes, médicos, instituições e seguradoras podem se beneficiar mutuamente por meio de um ecossistema dirigido e governado pela comunidade. Dessa forma, os membros do DAO têm o poder de aprovar projetos específicos de saúde com base nas propostas que recebem de outros membros. Uma vez aprovados, os pools de ativos financiados por tokens SOLVE ou outras moedas estáveis ​​são criados para financiar esse projeto específico. Esta é uma maneira nova e verdadeiramente inovadora de resolver a atual falta de financiamento presente no setor de saúde hoje.

Comentários

Comments

Quer saber mais sobre minhas palestras ou nosso programa de podcasts customizados para ajudar sua empresa?

In order to check Andrea’s agenda and get a quote for an event, or even to just get in touch with him – please use the form below.

Com mais de 200 palestras online e offline em 2021 para clientes no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa, o Andrea é hoje um dos palestrantes sobre Transformação Digital, Liderança, Inovação e Soft Skills mais requisitados a nível nacional e internacional. Ele já foi diretor do Tinder na América Latina por 5 anos, e Chief Digital Officer na L’Oréal, e hoje é também escritor best-seller e professor do MBA Executivo da Fundação Dom Cabral

With more than 200 keynotes delivered (online and offline) in 2021 to clients across Brazil, Latin America, the United States and Europe, Andrea is today one of the most requested speakers on Digital Transformation, Leadership, Innovation and Soft Skills in Brazil and globally. He has been the head of Tinder in Latin America for 5 years, and Chief Digital Officer at L’Oréal. Today he is also a best-selling author, and a professor at the Executive MBA at Fundação Dom Cabral.

CONTATO

Para consultas de data, propostas comerciais, ou para elogios ou até mesmo reclamações, pode preencher o formulário abaixo

CONTACT FORM

In order to check Andrea’s agenda and get a quote for an event, or even to just get in touch with him – please use the form below.

Andrea Iorio · 2021 © Todos os direitos reservados.

Andrea Iorio · 2021 © All Rights Reserved.